fbpx

A importância do Projeto de Instalações Prediais Elétricas

Postado em Arquitetura , Postado em Construção ,     Escrito por Prof. Eng. Roberto de Carvalho Junior    em público agosto 17, 2020

Instalações Prediais Elétricas

O projeto de instalações prediais elétricas é uma representação gráfica e escrita do que se pretende instalar na edificação, com todos os seus detalhes e a localização dos pontos de utilização (luz, tomadas, interruptores, comandos, passagem e trajeto dos condutores, dispositivos de manobras etc.).

Cabe ao responsável pelo projeto arquitetônico estudar, com os usuários da edificação, como será a iluminação, onde estarão os pontos futuros de tomadas, telefonia, lógica etc.

A disposição dos móveis e, consequentemente, dos aparelhos eletrônicos e luminárias deve ser considerada como fundamento básico para a elaboração do projeto. Resolvidas essas questões, entra em cena o projetista de instalações elétricas para definir os circuitos, a bitola (seção nominal) dos fios e cabos e o dimensionamento e distribuição dos conduítes.

Quando bem elaborado e corretamente dimensionado, com materiais de qualidade comprovada e também integrado de uma forma racional, harmônica e tecnicamente correta com os projetos técnicos complementares, o projeto de instalações elétricas gera significativa economia na aquisição de materiais e na execução das instalações, além de evitar o superdimensionamento (ou sub) de circuitos, disjuntores desarmados, falta de segurança nas instalações (incêndios, perda de equipamentos, choques elétricos) e dificuldade para a execução das instalações desconformes com as normas vigentes.

O tempo despendido na compatibilização do projeto arquitetônico com o de instalações elétricas será recuperado quando na execução de ambos, evitando desperdício de energia e o mau funcionamento dos aparelhos e equipamentos e permitindo fácil operação e manutenção de toda a instalação.

Para facilitar a manutenção das instalações, o ideal é que o arquiteto proponha soluções a partir do projeto. Por esse motivo, é importante o acompanhamento dos projetistas de instalações já na fase de criação arquitetônica.

De acordo com a NBR 5410, a escolha de qualquer componente e sua instalação deve permitir que sejam obedecidas as medidas de proteção para garantir a segurança e um funcionamento adequado ao uso da instalação e as prescrições apropriadas às condições de influências externas previsíveis (temperatura, altitude, presença de água, presença de corpos sólidos, choques mecânicos, mofo, vibração, influências eletromagnéticas etc.).

De modo geral, os componentes devem ser escolhidos de forma adequada para obedecer a condições de serviço, como:
  • Tensão nominal – valor eficaz em corrente alternada da instalação;
  • Corrente de projeto – valor eficaz em corrente alternada, que possa percorrê-los em serviço normal;
  • Frequência – se esta tiver influência sobre as características dos componentes, a frequência nominal do componente deverá corresponder à frequência da corrente no circuito pertinente;
  • Potência elétrica – os componentes escolhidos segundo suas características de potência devem ser adequados às condições normais de serviço, considerando os regimes de carga que possam ocorrer;
  • Compatibilidade – os componentes devem ser escolhidos de modo a não causar, em serviço normal, efeitos prejudiciais, quer aos demais componentes, quer à rede de alimentação, incluindo condições de manobra.

Para a elaboração dos projetos deve ser consultada a concessionária de energia elétrica, que fixa os requisitos mínimos indispensáveis para a ligação das unidades consumidoras.

Além das normas da concessionária e das normas específicas aplicáveis, também devem ser consultadas as Normas Técnicas da ABNT, principalmente a NBR 5410 (Instalações Elétricas de Baixa Tensão – Procedimentos), que contém prescrições relativas ao projeto, à execução, à verificação final da obra e à manutenção das instalações elétricas.


Conheça o Curso de Instalações Elétricas Prediais – 8h Online (ao vivo pela internet)

As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela arquitetura de forma harmônica, racional e tecnicamente correta.

Quando não há coordenação e/ou entrosamento entre arquitetos e os profissionais contratados para a elaboração dos projetos técnicos complementares, pode ocorrer uma incompatibilização entre estes e o projeto arquitetônico, o que, certamente, implicará inúmeras improvisações, durante a execução da obra, para solucionar os conflitos surgidos.

O projeto de instalações elétricas, harmoniosamente integrado aos demais projetos do edifício, com fiação e circuitos bem dimensionados, permitirá fácil execução e manutenção das instalações sem riscos de acidentes, além de gerar economia na aquisição dos materiais para sua execução e no consumo de energia.

Cabe ao arquiteto estudar, com os usuários da edificação, como será a iluminação, onde estarão os pontos futuros de tomadas, telefonia, lógica, antenas, etc.

A disposição dos móveis e, consequentemente, dos aparelhos eletrônicos e luminárias deve ser considerada como fundamento básico para a elaboração do projeto. Resolvidas essas questões, entra em cena o projetista de instalações elétricas para definir os circuitos, a bitola (seção nominal) dos fios e cabos e o dimensionamento e distribuição dos conduítes.

Se, por um lado, um projeto arquitetônico elaborado com os equipamentos e mobiliários adequadamente localizados, tendo em vista suas características técnicas e funcionais, é condição básica para a compatibilização dos projetos de instalações e outros pertinentes, por outro, a área de instalações elétricas prediais é carente de uma bibliografia que atenda às necessidades do aprendizado acadêmico e profissionais no que se refere às interfaces físicas e funcionais do projeto de instalações elétricas prediais com o projeto arquitetônico.

Clique aqui para saber mais e inscrever-se!

sobre o autor
Prof. Eng. Roberto de Carvalho Junior
Engenheiro civil, licenciado em Matemática, com habilitação em Física e Desenho Geométrico. Pós graduado em Didática do Ensino Superior. Mestre em Arquitetura e Urbanismo e Mestre em Hidráulica e Saneamento. Projetista de Instalações Prediais desde 1982, já elaborou inúmeros projetos de edificações de médio e de grande porte, executados em várias cidades do Brasil. Desde 1994, atua na área acadêmica, em faculdades de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil, como professor universitário das disciplinas de instalações prediais. É palestrante e autor dos livros “Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura”; “Instalações Elétricas e o Projeto de Arquitetura”; “Patologias em Sistemas Hidráulico-Sanitários”, “Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias – Princípios básicos para elaboração de projetos” e Interfaces Prediais. Todos os livros editados pela Blucher. É autor de diversos artigos e publicações em vários jornais e revistas do país voltadas a construção civil, falando especificamente sobre assuntos relacionados a sua área de atuação. Atualmente, trabalha na área acadêmica e como consultor independente.