ATENDIMENTO (11) 26261594

Ecoeficiência Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável

Postado em Sustentabilidade ,     em público junho 9, 2015

Muito mais abrangente do que sua primeira edição, realizada no final de 2009, o 2º Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável mostrou que as discussões sobre o tema tornam-se cada vez mais complexas e multidisciplinares. A escassez de recursos naturais não renováveis e as mudanças climáticas foram a tônica dos debates.

Profissionais do meio acadêmico e da cadeia produtiva, que há tempos vêm se dedicando a estudar e debater o papel da construção civil nas emissões de gases geradores do efeito estufa, alertaram para o aumento acelerado da demanda de recursos finitos.

Professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e coordenador do Comitê Temático Água do CBCS, Orestes Marracine Gonçalves mostrou gráficos contendo previsões de aumento da demanda de água até 2030, o que requer, segundo ele, a tomada de decisões urgentes para a redução do consumo. ?No estado de São Paulo, considerando os usos em agricultura, áreas urbanas e agroindústria, a demanda poderá crescer 43% nos próximos 30 anos?, diz Marracine. E isso levando em conta que a Região Metropolitana de São Paulo tem cerca de 20 milhões de habitantes – embora, em outro cenário, uma macrorregião metropolitana, composta por cidades num raio aproximado de cem quilômetros da capital, possa elevar essa população para cerca de 27 milhões de pessoas. Nessa região, o uso urbano é mais elevado e há tendência de crescimento.

Marracine adverte que é preciso trabalhar a demanda de água, em vez da oferta. ?Os edifícios vão mudando, aumenta a complexidade do projeto, da manutenção, da construção. Não dá mais para trabalhar apenas com a visão do projeto e da execução. É necessário o gerenciamento, a engenharia de facilities?, diz Marracine, que coloca a gestão do consumo de água como ferramenta para definir estratégias para o setor. ?Essa questão deve fazer parte de uma visão sistêmica, relacionando o sistema público e o sistema predial de distribuição?, afirma.

Do berço ao berço

A visão sistêmica também foi defendida pelo norte-americano Charles Kibert, diretor do Powell Center for Construction and Environment. ?Nossa economia está registrando uma nova onda desde a Revolução Industrial. E precisamos redesenhar um programa para a construção sustentável?, ele afirma. A ideia é que se utilize um ecossistema integrado, com a adoção do design passivo e de processos que buscam o reaproveitamento máximo de todo tipo de material. Como características de edificações sustentáveis, Kibert citou o projeto regenerativo, a sinergia homem/natureza, o reúso, a reciclagem e o ciclo fechado de materiais, além do uso racional de água. Dessa forma, é preciso projetar pensando na vida útil da construção e na reutilização dos materiais. ?O processo, portanto, deve ser ?do berço ao berço? e não do ?berço ao túmulo?. A restauração do ecossistema é a chave?, ele afirma.

A onda verde vem, portanto, adquirindo novo significado. Também presente ao simpósio, o arquiteto Brandon Haw, sócio sênior e responsável pelo desenvolvimento de projetos internacionais do escritório Foster + Partners, buscou o exemplo da indústria automobilística, que tem investido em projetos de veículos menores e mais eficientes. ?A sustentabilidade deve ser econômica, social e do meio ambiente. Temos que pensar em novos modelos de edifícios?, diz Haw, observando que é preciso criar uma realidade sustentável e pensar em opções práticas para a redução de gases do efeito estufa. Em sua opinião, desenvolver a sustentabilidade econômica, social e ambiental requer equilíbrio entre diversos setores, principalmente o privado e o público.

?O clima da terra está aquecendo e não temos como duvidar disso. Do ponto de vista prático, a indústria e a tecnologia melhoraram muito a vida do ser humano. Mas trouxeram também os problemas que estamos enfrentando, de geração de gases do efeito estufa e mudanças climáticas. Não sabemos qual é a pegada de carbono da construção civil e não temos metas. O Brasil usa pouca madeira para a construção, mas a maior parte dela é ilegal. O ar condicionado prestou um desserviço à engenharia porque tornou possível a vida em qualquer absurdo arquitetônico?, afirma Vanderley M. John, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e coordenador do Comitê Temático Materiais do CBCS. Mas a situação vem mudando nos últimos 20 anos, segundo ele. Em parte graças aos sistemas de construção industrializada, que permitem uma obra mais limpa e mais racionalizada, e à entrada no mercado de materiais como válvulas de dupla descarga, torneiras automáticas, limitadores de vazão de água e concreto de alta resistência. No entanto, essa evolução ainda é muito lenta, observou.

O evento lotou o auditório do Centro de Convenções do WTC, em São Paulo, no final de agosto. Na ocasião também foi lançado o Relatório de avaliação de políticas públicas para redução da emissão de gases de efeito estufa em edificações, iniciativa coordenada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em parceria com a Universidade da Europa Central (CEU). A íntegra das palestras do 2º Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável está disponível no site www.cbcs.org.br.

Texto de Cida Paiva

Publicada originalmente em FINESTRA

Edição 59 Dezembro de 2009

Termos e Condições
Contrato de Prestação de Serviços pela AEA Educação Continuada Data-Limite 1. As inscrições para os cursos se encerram 7 dias antes do início das aulas. Excepcionalmente, desde que existam vagas disponíveis, serão aceitas inscrições após a data limite. 2. A data-limite não garante a disponibilidade de vagas. Por isso, recomendamos a efetivação da inscrição/pagamento com antecedência.   Política de Descontos da AEA Educação Continuada 3. A AEA Educação Continuada oferece descontos às seguintes categorias, comprovada a condição mediante apresentação do documento competente, conforme o caso: (i) Grupos de profissionais (3 ou mais inscritos): 10% (ii) Estudantes de graduação e professores: 15%, não sendo aplicado à pós-graduação. (iii) Desconto para pacote de cursos: 10% para inscrições em 2(dois) cursos; 15% para inscrições em 3(três) cursos; 20% para inscrições em 4(quatro) ou mais cursos; 4. Os descontos mencionados nos itens (i, ii, iii) não são cumulativos e se aplicam ao pagamento à vista ou parcelados. Em todas as situações, prevalece o maior desconto.   Desconto especial por antecipação de inscrição  5. Inscrições pagas até 45 dias antes da data de início do curso receberão desconto de 10%, cumulativo em relação ao eventual desconto aplicado com base na “Política de Descontos da Academia” (itens 3 e 4 acima).   Reagendamentos 6. Os cursos da AEA Educação Continuada são ministrados a turmas abertas, formadas por adesão dos interessados. Por isso, a realização do curso depende da inscrição de um número mínimo de participantes, Na hipótese de quorum insuficiente, impossibilidade de comparecimento do professor ou outros imprevistos, a AEA Educação Continuada reagendará o curso, para a data mais próxima possível, a fim de preservar o melhor interesse de todos. 7. Excepcionalmente, a AEA Educação Continuada poderá substituir o professor inicialmente contratado por outro profissional, igualmente qualificado, a fim de preservar o melhor interesse de todos e contornar imprevistos ou conflitos de agenda. 8. Em caso de reagendamento, a AEA Educação Continuada avisará todos os inscritos, por e-mail, informando a nova data, razão pela qual o participante deve manter seu cadastro atualizado, informando o e-mail de contato que acesse com mais freqüência. O inscrito será automaticamente realocado na nova turma do curso de interesse, podendo solicitar a transferência da inscrição para outro curso ou a devolução dos valores pagos. Por isso, recomendamos atenção aos comunicados eletrônicos da AEA Educação Continuada no período que antecede a data prevista para a realização do curso. Especialmente em caso de viagens, antes de se deslocar, solicitamos entrar em contato com a AEA Educação Continuada, a fim de confirmar as informações sobre data e local do curso, evitando transtornos.   Cancelamentos 9. As inscrições poderão ser canceladas, com a devolução dos valores pagos, a pedido do interessado até 10 dias corridos antes do início do curso. 10. No caso de inscrições canceladas, a pedido do interessado, com prazo inferior a 10 dias corridos antes do início do curso, não haverá devolução do valor pago, e o inscrito poderá transferir integralmente o seu crédito para outra turma interesse, pagando eventual diferença, se houver. No caso de não comparecimento no curso (no show), ou de comunicação de não comparecimento, e prazo inferior a 2 dias antes da data de início do curso, por qualquer motivo, 80% do valor total da inscrição (e não da parcela paga, em caso de pagamento parcelado) poderá ser transferido para outro curso oferecido pela AEA Educação Continuada, mas não haverá devolução de valores pagos. Os 20% restantes serão retidos como multa tendo em vista os custos antecipadamente despendidos para possibilitar a participação do inscrito. 11. Destacamos que em caso de inobservância dos comunicados da AEA Educação Continuada (especialmente nos termos do item 8 acima) não haverá reembolso de nenhuma espécie de despesas, incluindo, mas não se limitando a, passagem aérea e rodoviária, combustível, pedágio, locação de veículos, hospedagem, alimentação e outras.   Devolução de valores 12. Nas hipóteses de devolução de valores, o depósito do valor será realizado em 10 dias úteis, contados do envio do comprovante de pagamento e dos dados bancários do favorecido (agência, conta bancária, nome do titular da conta e CPF/CNPJ). 13. Será devolvido apenas o valor principal das parcelas pagas, deduzidas as despesas havidas com a operadora do cartão de crédito, emissão ou reemissão de boletos e tarifas bancárias. 14. Caso seja solicitada a reemissão de boletos, o valor das tarifas bancárias serão incluídos no valor do novo título.   Mora e inadimplemento 15. Os boletos emitidos para os cursos realizados, com data de pagamento posterior ao encerramento do evento, e não pagos até a data do seu vencimento, estarão sujeitos a multa de 2%, juros e correção monetária de 5% ao mês, e após 3 (três) dias serão automaticamente encaminhados ao cartório de protesto de título. 16. O aluno que, por qualquer motivo, cancelar a sua inscrição fora do prazo mencionado no item 9 ou deixar de comparecer ao curso, não se sujeita ao acima mencionado, mas permanece adstrito ao sistema de transferência de crédito descrito nos itens 8 e 10. 17. Caso a AEA Educação Continuada tenha que realizar a cobrança de quaisquer valores devidos em decorrência deste Contrato, a mesma poderá cobrar o reembolso de todas as despesas incorridas por conta de cobrança, judicial ou extrajudicial, de tais valores, incluindo custos de postagem de carta de cobrança, cobrança telefônica e despesas cartorárias.

AEA Cursos Ltda. São Paulo,