ATENDIMENTO (11) 26261594

Museu Aberto Cratera de Colônia

Postado em Design , Postado em Urbanismo ,     em público junho 9, 2015

Em busca do equilíbrio entre questões ambientais, sociais, culturais e econômicas aplicadas no desenho das cidades, o projeto de requalificação urbana Museu Aberto Cratera de Colônia, do escritório Levisky Arquitetos, abrange uma área de 2.4 milhões de m2. Vencedor da categoria Profissionais – Preservação do Meio Ambiente do Prêmio Master Imobiliário 2011, o projeto contempla a implantação de saneamento básico e infraestrutura, criação de espaços públicos de convivência social e lazer, além da previsão de áreas que poderão comportar equipamentos urbanos, como escolas e centros de saúde, voltados ao atendimento da comunidade ao lado da Represa Billings, em Parelheiros, município de São Paulo.

Desenvolvido em 2010, o projeto propõe resgatar a condição de salubridade ambiental das margens da represa Billings, além de proporcionar a reconstituição da fauna e flora local, realocação parcial de moradias de interesse social, regularização fundiária, e, principalmente, a oferta de um Parque-Museu. Esse parque, por meio de percursos interativos, transmite informações, além de gerar oportunidade de pesquisa e reflexão aos usuários, visitantes e turistas sobre as questões ambientais e culturais relativas ao patrimônio histórico e ambiental.

A proposta apresentada pelo projeto urbanístico contempla, ainda, a implantação de equipamentos urbanos, ciclovias, acessibilidade, soluções em drenagem, iluminação e uma cuidadosa reconstituição vegetal, com a criação de quatro parques lineares, praças cívicas, dois portais de acesso e dois mirantes. Todos os espaços têm paisagismo que valoriza a presença da natureza e as visuais do entorno, permitem o pleno reconhecimento da depressão geológica, denominada Cratera de Colônia.

Segundo Adriana Levisky, arquiteta e urbanista, titular do escritório Levisky Arquitetos Associados, trata-se de um modelo de requalificação urbana, que associa as demandas de implementação de infraestrutura à legalidade da moradia e, sobretudo, à qualidade de vida, do ponto de vista das cidades, do lazer, da cultura, do conhecimento, da preservação do patrimônio ambiental e cultural.

A área total do Museu Aberto Cratera de Colônia, incluindo as habitações, é, aproximadamente, 55% maior do que o Parque do Ibirapuera, e representa uma oportunidade para a implantação de um novo parque em escala metropolitana na cidade. A idéia de criação do Museu Aberto Cratera de Colônia surgiu a partir da necessidade de suprir demandas básicas dos moradores da área, e explorar o potencial para turismo ecológico, desenvolvimento de ações culturais e de preservação ambiental na região. A Cratera é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico de São Paulo (CONDEPHAAT).

Regularização fundiária

“O trabalho começou por uma demanda muito curiosa, porque não estava vinculada inicialmente nem ao universo ambiental nem ao cultural. Há o loteamento irregular com 35 mil pessoas, então, a necessidade era resolver a questão da regularização fundiária. E como associar as necessidades habitacionais às questões ambientais e ecológicas, somadas a essa realidade histórica do patrimônio tombado? Então a busca de um conceito inicial para achar uma solução foi tirar o máximo do que o próprio território tem como potencial nessas áreas todas”, lembra Adriana.

Sob o ponto de vista urbanístico, o projeto inclui uma criteriosa organização do sistema viário com o objetivo de valorizar a circulação dos pedestres e direcionar o eixo de movimento dos veículos para proporcionar segurança e conforto durante deslocamentos. Ruas serão abertas e outras alargadas em um desenho que irá privilegiar o uso de calçadas, ciclovias e ciclofaixas. “Tratamos os passeios de modo que haja acessibilidade e moderação de tráfico dos automóveis. Arborização e iluminação pública foram estrategicamente locadas para dar espaço ao pedestre, em caminhadas seguras e agradáveis”, detalha Adriana.

Distante 35 quilômetros do centro da cidade de São Paulo, a Cratera de Colônia também precisará de infraestrutura de transportes, e as possíveis soluções começaram a surgir durante os estudos. “Há estradas de ferro abandonadas que poderiam fazer conexões com o sistema público de transporte”. Uma estação de trem turística e uma ciclovia completam o projeto. O projeto prevê, ainda, uma cuidadosa reconstituição vegetal com a criação de quatro parques, duas praças, dois portais de acesso e um mirante, todos espaços com paisagismo que valoriza a presença da natureza e as visuais do entorno.

Aproximadamente 359 mil metros quadrados de área verde serão acrescentados à região. Projeto de 2010, atualmente o Museu Aberto Cratera de Colônia já está em sua primeira fase de execução. A segunda etapa está com edital em andamento e a expectativa é a de que a implantação do projeto esteja concluída em março de 2014.

Valorização do mercado imobiliário

Empreendimentos urbanos de requalificação dos espaços públicos, tais como o Museu Aberto Cratera de Colônia, já representam um forte instrumento para potencializar negócios imobiliários e promover mudanças de paradigmas nas estratégias ao valorizar a integração do patrimônio público com o privado. “Investir na força atrativa da região e, assim, encontrar valor e oportunidade no espaço público é visualizar o retorno que isso pode trazer para as empresas construtoras e incorporadoras. O empreendimento não é do tamanho do lote. É maior que o lote. E a conta a ser feita não é a de que o lucro será menor porque uma área maior que o lote está sendo beneficiada”, conclui Adriana Levisky.

História

A Cratera de Colônia é uma Área de Proteção Ambiental (APA Capivari‐Monos). Surgiu há cerca de 20 milhões de anos, a partir do impacto de um meteoro que, estima‐se, possuía algo em torno dos 200 metros de diâmetro. Há apenas 70 estruturas semelhantes no mundo. Das cinco localizadas no Brasil, a formação de Parelheiros é a mais próxima de um centro urbano. Daí a preocupação em transformá‐la em algo atrativo para turistas.

“Pela dimensão e pelo potencial que o local tem, já representa em si um parque em escala metropolitana”, acredita Adriana Levisky. No projeto, alguns detalhes favorecem a visitação do Museu Aberto. O passeio de pedestres está próximo do córrego e das áreas de lazer. Também há previsão de displays dispostos com informações sobre boas práticas ambientais que mostram como funciona o processo de reciclagem do lixo e outros materiais, a diferença entre fossa e esgoto tratado, o que é um mangue, o que é mata ciliar, uma represa, entre outros conceitos. “Todos os dados são voltados não, somente, para a população local, mas para turistas também”, afirma a arquiteta.

Termos e Condições
Contrato de Prestação de Serviços pela AEA Educação Continuada Data-Limite 1. As inscrições para os cursos se encerram 7 dias antes do início das aulas. Excepcionalmente, desde que existam vagas disponíveis, serão aceitas inscrições após a data limite. 2. A data-limite não garante a disponibilidade de vagas. Por isso, recomendamos a efetivação da inscrição/pagamento com antecedência.   Política de Descontos da AEA Educação Continuada 3. A AEA Educação Continuada oferece descontos às seguintes categorias, comprovada a condição mediante apresentação do documento competente, conforme o caso: (i) Grupos de profissionais (3 ou mais inscritos): 10% (ii) Estudantes de graduação e professores: 15%, não sendo aplicado à pós-graduação. (iii) Desconto para pacote de cursos: 10% para inscrições em 2(dois) cursos; 15% para inscrições em 3(três) cursos; 20% para inscrições em 4(quatro) ou mais cursos; 4. Os descontos mencionados nos itens (i, ii, iii) não são cumulativos e se aplicam ao pagamento à vista ou parcelados. Em todas as situações, prevalece o maior desconto.   Desconto especial por antecipação de inscrição  5. Inscrições pagas até 45 dias antes da data de início do curso receberão desconto de 10%, cumulativo em relação ao eventual desconto aplicado com base na “Política de Descontos da Academia” (itens 3 e 4 acima).   Reagendamentos 6. Os cursos da AEA Educação Continuada são ministrados a turmas abertas, formadas por adesão dos interessados. Por isso, a realização do curso depende da inscrição de um número mínimo de participantes, Na hipótese de quorum insuficiente, impossibilidade de comparecimento do professor ou outros imprevistos, a AEA Educação Continuada reagendará o curso, para a data mais próxima possível, a fim de preservar o melhor interesse de todos. 7. Excepcionalmente, a AEA Educação Continuada poderá substituir o professor inicialmente contratado por outro profissional, igualmente qualificado, a fim de preservar o melhor interesse de todos e contornar imprevistos ou conflitos de agenda. 8. Em caso de reagendamento, a AEA Educação Continuada avisará todos os inscritos, por e-mail, informando a nova data, razão pela qual o participante deve manter seu cadastro atualizado, informando o e-mail de contato que acesse com mais freqüência. O inscrito será automaticamente realocado na nova turma do curso de interesse, podendo solicitar a transferência da inscrição para outro curso ou a devolução dos valores pagos. Por isso, recomendamos atenção aos comunicados eletrônicos da AEA Educação Continuada no período que antecede a data prevista para a realização do curso. Especialmente em caso de viagens, antes de se deslocar, solicitamos entrar em contato com a AEA Educação Continuada, a fim de confirmar as informações sobre data e local do curso, evitando transtornos.   Cancelamentos 9. As inscrições poderão ser canceladas, com a devolução dos valores pagos, a pedido do interessado até 10 dias corridos antes do início do curso. 10. No caso de inscrições canceladas, a pedido do interessado, com prazo inferior a 10 dias corridos antes do início do curso, não haverá devolução do valor pago, e o inscrito poderá transferir integralmente o seu crédito para outra turma interesse, pagando eventual diferença, se houver. No caso de não comparecimento no curso (no show), ou de comunicação de não comparecimento, e prazo inferior a 2 dias antes da data de início do curso, por qualquer motivo, 80% do valor total da inscrição (e não da parcela paga, em caso de pagamento parcelado) poderá ser transferido para outro curso oferecido pela AEA Educação Continuada, mas não haverá devolução de valores pagos. Os 20% restantes serão retidos como multa tendo em vista os custos antecipadamente despendidos para possibilitar a participação do inscrito. 11. Destacamos que em caso de inobservância dos comunicados da AEA Educação Continuada (especialmente nos termos do item 8 acima) não haverá reembolso de nenhuma espécie de despesas, incluindo, mas não se limitando a, passagem aérea e rodoviária, combustível, pedágio, locação de veículos, hospedagem, alimentação e outras.   Devolução de valores 12. Nas hipóteses de devolução de valores, o depósito do valor será realizado em 10 dias úteis, contados do envio do comprovante de pagamento e dos dados bancários do favorecido (agência, conta bancária, nome do titular da conta e CPF/CNPJ). 13. Será devolvido apenas o valor principal das parcelas pagas, deduzidas as despesas havidas com a operadora do cartão de crédito, emissão ou reemissão de boletos e tarifas bancárias. 14. Caso seja solicitada a reemissão de boletos, o valor das tarifas bancárias serão incluídos no valor do novo título.   Mora e inadimplemento 15. Os boletos emitidos para os cursos realizados, com data de pagamento posterior ao encerramento do evento, e não pagos até a data do seu vencimento, estarão sujeitos a multa de 2%, juros e correção monetária de 5% ao mês, e após 3 (três) dias serão automaticamente encaminhados ao cartório de protesto de título. 16. O aluno que, por qualquer motivo, cancelar a sua inscrição fora do prazo mencionado no item 9 ou deixar de comparecer ao curso, não se sujeita ao acima mencionado, mas permanece adstrito ao sistema de transferência de crédito descrito nos itens 8 e 10. 17. Caso a AEA Educação Continuada tenha que realizar a cobrança de quaisquer valores devidos em decorrência deste Contrato, a mesma poderá cobrar o reembolso de todas as despesas incorridas por conta de cobrança, judicial ou extrajudicial, de tais valores, incluindo custos de postagem de carta de cobrança, cobrança telefônica e despesas cartorárias.

AEA Cursos Ltda. São Paulo,