O que você vai aprender
  • Preparo, execução e controle de qualidade da terraplenagem;
  • Execução e fiscalização de camadas de sub-base e base de pavimentos;
  • Controle da produção de agregados;
  • Usinas de asfalto (particularidades): volumétricas e gravimétricas;
  • Fiscalização e execução de concreto asfálticos usinados a quente.

Como irá se beneficiar

  • Desenvolvimento de metodologia para investigação de materiais a serem utilizados em pavimentação;
  • Aprendizado das operações de controle da produção;
  • Aprendizado da operação de execução dos serviços;
  • Aprendizado das operações de fiscalização e controle tecnológico dos serviços.
  • O curso de Execução e Fiscalização de Obras de Pavimentação alia os ditames das mais modernas Normas Técnicas em vigor.

Público-alvo

Engenheiros de Empresas Construtoras;, Engenheiros de Empresas de Consultoria (fiscalização, supervisão e gerenciamento dos serviços);, Servidores públicos de Prefeituras, responsáveis pela licitação, contratação ou fiscalização de obras de pavimentação urbana;, Servidores públicos de DERs e Secretarias de Estado de Infraestrutura, responsáveis pela contratação ou fiscalização de obras rodoviárias;, Engenheiros da Caixa Econômica Federal e outros agentes financiadores de obras;, Servidores públicos de Controladorias Internas, Ouvidorias Gerais e Tribunais de Contas, responsáveis por auditorias em obras rodoviárias ou pavimentação urbana;, Membros e Peritos de Ministérios Públicos, Polícia Federal e Órgãos afins.

Duração

30 horas

Terrapleno: seleção dos materiais, preparo, execução e controle de qualidade;

Sub-bases e bases de pavimentos: seleção dos materiais, dosagem, execução e controle de qualidade;

Produção de agregados para uso em pavimentação: metodologias, materiais comerciais e controle de qualidade dos agregados;

Usinas de asfalto: conceitos, operações e controle de qualidade na produção;

Concreto asfáltico usinado a quente: metodologia de dosagem, execução e controle de qualidade.

  • Prof. Me. Igor Amorim Beja

    Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG-PB) em 2011, Mestre em Engenharia de Transportes pela Universidade de São Paulo (USP) em 2013. Experiência na área de Engenharia de Transportes, ênfase em Infraestrutura de Transportes. Atualmente, doutorando pelo Programa de Geotecnia da Universidade de Brasília (UNB) e Consultor nas áreas de atuação afins.

Horários

Início: 08h30
Coffee break: 10h30 às 10h45
Almoço: 12h30 às 14h00
Coffee break: 16h30 às 16h45
Encerramento: 18h00
Obs.: Cada hora/aula tem 50 minutos de duração.

O que está incluso

  • Apostila Digital em PDF (disponibilizada por e-mail aos participantes em até 24 horas da data de início do curso, como anexo ou via link em nuvem)
  • Material de Apoio;
  • Serviço de Coffee-breaks;
  • Certificado de Participação digital (atentar a correta grafia do seu nome na lista presença que circulará no primeiro dia de curso)

Observações

  • Recomendamos levar Notebook ou Tablet/IPAD, com adaptador para a nova tomada “PADRÃO BRASILEIRO”;
  • Na hipótese de quórum insuficiente, impossibilidade de comparecimento do professor, imprevistos ou motivos de força maior, a AEA Educação Continuada se reserva ao direito de cancelar ou reagendar o curso programado visando preservar o melhor interesse de todos;
  • Especialmente, em caso de viagens, antes de se deslocar, solicitamos entrar em contato, a fim de confirmar as informações sobre data e local do curso, evitando transtornos;
  • Em caso de cancelamento, a AEA Educação Continuada avisará a todos os inscritos (através de e-mail), e devolverá integralmente os valores pagos pela inscrição;
  • O inscrito poderá solicitar o cancelamento da sua inscrição, via e-mail, até 10 (dez) dias antes do início do curso. Neste caso, os valores pagos serão devolvidos.
Em todos os casos, recomendamos a leitura atenta, e integral, do Contrato de Adesão aceito no ato da efetivação da inscrição online.
 

Formas de Pagamento


Depoimentos

“O sucesso de uma obra se dá pelo entrosamento das diferentes fases para sua execução. Nesse cenário, o controle e fiscalização despenham papel fundamental. Contudo, o Brasil é um país heterogêneo em vários sentidos valendo também no que tange ao conhecimento técnico e tecnológico. Não é incomum no país a utilização de técnicas antigas para a fiscalização e controle de obras rodoviárias. Tal situação implica na demanda de atualização da engenharia de pavimentos com novas técnicas e tecnologias que resultem na melhor fiscalização de obras rodoviárias.”

Dr. Rodrigo Pires Leandro (Professor pela Universidade Federal de Uberlândia – MG)