O que você irá aprender

Em um cenário de extrema competitividade, que exige mudanças rápidas, o Gerenciamento de Facilities trata da criação e implantação de estratégias, metodologias e processos que permitem desenvolver continuamente a prestação dos mais variados serviços, dando suporte à atividade fim das organizações, públicas ou privadas.

O Curso de Gerenciamento de Facilities, portanto, irá ensinar como avaliar e implantar soluções inovadoras, lançando mão de equipamentos e sistemas inteligentes e interligados, adequando as instalações e infraestrutura das edificações aos padrões mais modernos, respeitando a legislação vigente, abordando a atualização técnica e tecnológica dos ambientes.

Atualmente, a formação e preparação do profissional é um diferencial a ser considerado nas escolhas das empresas. Além deste aspecto, um profissional capacitado, engajado e motivado terá uma performance superior aos demais, principalmente em momentos de crise.

O curso ensina a gerenciar os serviços que fazem parte da rotina dos edifícios, tais como segurança, sistemas de ar condicionado, elevadores, estacionamentos, limpeza, controle de acesso, entre outros, além de contratação, gestão e fiscalização de prestadores de serviços, cobrança de resultados, entre outras tarefas de apoio às atividades fim das edificações.

Você irá aprender como lidar com a terceirização e contratar prestadores de serviços eficientes, escolhendo a parceria certa e determinando as cláusulas que devem constar no contrato.
Irá mostrar como apresentar projetos internos à alta direção, do ponto de vista operacional e técnico, além de controlar as despesas da área de Facilities, a fim de obter aprovação dos orçamentos pelos CEOs e CFOs das empresas.
E, como utilizar as melhores ferramentas e instrumentos práticos para facilitar a aprovação de investimentos, projetos de melhoria e remodelação das atividades de Facilities, visando sempre relacionar os serviços de suporte aos indicadores que medem o cumprimento do Plano Estratégico das Organizações.
Como irá se beneficiar

Conseguir bons resultados das equipes internas e dos prestadores de serviços terceirizados e, ainda, saber lidar com as expectativas dos usuários;

– Saber selecionar e contratar empresas conforme as necessidades, levando em consideração a relação custo/benefício. Além disso, entender o que pode ser feito para proteger o patrimônio sem violar direitos dos usuários nem as leis;

– Aplicar o conhecimento técnico necessário para dialogar com prestadores de serviços e encontrar soluções rápidas e menos onerosas para a empresa;
– Desenvolver competências de planejamento, implantação, gerenciamento e desenvolvimento de todas as atividades e recursos usados como suporte ao “core business” das organizações;
– Identificar ganhos de produtividade, melhoria da qualidade, organização e atendimento eficaz aos usuários;- Gerenciar e liderar as equipes para obter o maior rendimento e, ao mesmo tempo, fazer com que o time trabalhe unido, engajado e com resultados de alta performance.O curso passa informações essenciais, incentivando os alunos a se aprofundarem nos temas mais próximos de sua atuação e interesse, e também conhecer áreas que ainda não dominam. Pela própria natureza do setor de Facilities, o curso busca desenvolver no aluno uma visão generalista e abrangente, para que ele entenda as interfaces entre as diversas especialidades que compõem a operação de um edifício/empreendimento. Portanto, o curso leva o aluno a adquirir as capacidades preparatórias e de análise em cada área, para dotá-lo com a visão estratégica e operacional que a função requer.
Público-alvo

O público alvo é formado por profissionais de várias áreas que têm ligação direta com os vários serviços da área de Facilities. Isso abrange analistas, coordenadores, supervisores e gerentes que atuam em empreendimentos públicos ou privados, corporativos, industriais, varejo, shopping centers condomínios e escolas. Todos os profissionais ligados à área de Facilities, tais como, gerentes, supervisores e coordenadores, que trabalhem com infraestrutura de empresas de diversos ramos: desde shopping centers e indústrias, até condomínios empresariais e residenciais, supermercados, escolas, hospitais, entre outras.

Não há pré-requisitos específicos e não é necessário ter formação superior ou em áreas técnicas, pois as equipes são formadas também por técnicos especializados. Importante é que os alunos tenham aproximação e atuação na área, pois, caso contrário, não compreenderá a interligação entre os temas e a complexidade de se trabalhar nas áreas de Facilities.

Duração
64 horas

Os principais temas abordados são: instalações prediais, sistemas críticos e de ar condicionado, pragas urbanas, gestão da manutenção, liderança para resultados, gestão de estacionamentos, terceirização de serviços, indicadores de performance, segurança patrimonial, técnicas de negociação, finanças aplicadas a área de Facilities, Facilities integrado a estratégia de negócios, gestão de seguros, entre outros. Todos os temas são apresentados em forma descritiva com debates e exercícios em classe. São disponibilizadas ferramentas para auxiliar os alunos no dia a dia de suas tarefas.
Instalações Prediais: sistemas elétricos, hidráulicos; cabeamento estruturado; sistemas de combate a incêndio; automação de sistemas;

BMS;

Liderança para Resultados: contextualização da liderança na gestão moderna; conceito de líder e principais habilidades; diferença entre poder hierárquico e liderança; estilos de liderança eficaz;

Finanças Aplicadas ao Gerenciamento de Facilidades: maximização do retorno para os proprietários/alta direção; despesas diretas e indiretas; como apresentar um projeto sob o ponto de vista financeiro;

Terceirização de Serviços: vantagens da terceirização; modalidades de contratação; como contratar; mudanças nas normas em vigor;

Indicadores de Performance (KPI e SLA): ferramentas para monitorar o padrão dos serviços; como usar os indicadores; avaliação dos resultados, penalizações e bonificação; sistemas de ar condicionado;

Gestão de Estacionamentos: cuidados na contratação do operador; medição dos serviços; equipamentos e instalações;

Gestão da Manutenção: retrocomissionamento; conceitos básicos de planejamento; planos de manutenção;

Segurança Patrimonial: escolha da empresa de segurança; políticas e procedimentos;

Gerenciamento de Layout: novos conceitos e impactos nas instalações; recursos operacionais para a organização e gerenciamento de lay out;

Pragas Urbanas: controles; tecnologias e produtos; impactos nas edificações e instalações.

 

Carga horária
72 horas

Turma período noturno

Datas
20, 25, 27/09 – 02, 04, 09, 16, 18, 23 e 25/10 – 06, 08, 13, 20, 22, 27 e 29/11

Horários
2as e 4as feiras, 18h30 às 22h30

 

  • Coordenador Prof. Esp. Lamberto Grinover
    O Property Manager frente aos acionistas X práticas sustentáveis



    Lamberto Grinover

    Property Senior Manager at Brookfield Property Brazil

    O papel do Property Manager, pela própria natureza de suas responsabilidades e campo de ação, adquire uma importância relevante e fundamental na escolha de ações e práticas de desenvolvimento sustentável, principalmente em períodos de fortes dificuldades econômicas quando ações e instrumentos gestionais utilizados nem sempre são condizentes com práticas responsáveis de gestão ambiental ou social, sobretudo se as empresas não os têm devidamente incorporados nas suas estratégias. É necessário, portanto, adotar um grande espírito empreendedor para a escolha de programas de investimentos, descobrir oportunidades de cortar custos em forma consciente, reduzir riscos inovando e aumentando a receita e os valores intangíveis do negócio em linha com as estratégias da empresa na qual atua.

    O valor junto ao acionista

    O Property Manager tem, perante os acionistas e proprietários, a responsabilidade de utilizar os recursos do negócio comprometendo-se com atividades desenvolvidas para aumentar os seus lucros, dentro das restrições legais impostas pela sociedade, além de revelar, totalmente em transparência e com exatidão, a utilização dos recursos da própria empresa e os resultados desta utilização.

    Segundo a teoria do economista Milton Friedman (1970) o propósito da personalidade da empresa e de seus acionistas não é apenas ter garantido um lucro, mas também a informação que possa suportar uma decisão de investimento prudente. O economista defende a idéia que há uma, e apenas uma responsabilidade social da empresa: utilizar seus recursos e sua energia em atividades destinadas a aumentar seus lucros (ou diminuir suas despesas) e que a única responsabilidade social do gestor é agir em benefício dos seus acionistas respeitando os limites legais.

    Seguindo esta linha de pensamento é que o Property Manager terá maiores e mais eficazes oportunidades de demonstrar ao acionista e ao proprietário a validade de um determinado projeto focado no desenvolvimento sustentável e de conseguir maiores possibilidades e recursos para a implantação do mesmo na linha de desenvolver pequenos projetos como parcela estratégica global, focando suas estratégias em ações de reduções de custos e de riscos e na inovação e reposicionamento da empresa (modelo de criação de valor ao acionista de Stuart Hart e Mark Milstein).

    Considerando-se porém as políticas empresariais e as modalidades de gestão dos negócios podemos, sem dúvida alguma, afirmar que o início de qualquer política de desenvolvimento sustentável deva partir e ser inicialmente impostada com foco na redução de despesas e de riscos, principalmente se considerarmos que existe uma tensão experimentada pelos acionistas focada na necessidade de alcançar resultados de curto prazo ao mesmo tempo em que pensa no crescimento futuro.

    [..] Os problemas do consumo de matérias primas, dos resíduos e da poluição associados á industrialização representam uma oportunidade para as empresas diminuírem os custos e os riscos graças ao desenvolvimento de habilidades e potenciais de combate á poluição e de eco eficiência. O combate à poluição está focado na melhoria da eficiência ambiental de produtos e processos de hoje – ou seja, na redução de resíduos e emissões das operações atuais. Ao obter produtos ou serviços mais vendáveis por unidade de insumo, o combate à poluição pode levar a uma diminuição de custos e a uma redução dos riscos. Programas que reduzem resíduos e missões por meio da eco eficiência têm sido amplamente adotado pelas empresas.

    Uma empresa sustentável é aquela que cria valor de longo prazo aos acionistas e contribui para a solução de problemas ambientais e sociais. Para Crosbie e Knight (1995) os negócios sustentáveis, aonde o Property Manager deve concentrar seus esforços, são os que:

    • satisfazem as necessidades atuais usando recursos de modo sustentável;

    • mantêm um equilíbrio em relação ao ambiente natural, com base em tecnologias limpas, reuso, reciclagem ou renovação de recursos;

    • restauram qualquer dano causados por eles;

    • contribuem para solucionar problemas sociais em vez que exacerbá-los;

    • geram renda suficiente para se sustentar.


    Posicionamento da Empresa 

    Segundo Denis Donaire (1999) uma primeira dúvida que surge aos acionistas quando consideram ações e implantações de projetos que focam a questão ambiental no diz respeito ao aspectos econômicos: a idéia que prevalece é que qualquer ação que se tome neste sentido traz consigo o aumento de despesas e, consequentemente, o acréscimo dos custos diretos ou indiretos.

    Mais uma vez estará ao Property Manager demonstrar aos acionistas e aos proprietários que com uma certa dose de criatividade e de empreendedorismo é possível ganhar dinheiro e proteger o meio ambiente, transformando restrições e ameaças ambientais em oportunidades de negócio e de lucro. Dentre as ações que geram benefícios econômicos (economia de custos) que podem ser implantadas no âmbito das responsabilidades do Property Manager podemos citar:

    Economia de custos

    • implantação de sistemas de redução e/ou re uso de água;

    • projetos de eficiência energética e de outros insumos;

    • ações de reciclagem, venda e aproveitamento de resíduos e diminuição de efluentes;

    • redução de multas e penalidades por poluição.


    Consequentemente teremos os seguintes benefícios estratégicos

    • melhoria da imagem institucional;

    • renovação do “portfólio” de produtos;

    • aumento da produtividade;

    • alto comprometimento do pessoal;

    • melhoria das relações de trabalho;

    • melhoria e criatividade para novos desafios; e

    • melhor adequação aos padrões ambientais. 


    Marketing da visão junto aos acionistas e proprietários

    Philip Kotler (2010) em sua teoria da nova força do marketing, assumindo uma abordagem holística aos clientes como pessoas multidimensionais, norteadas por valores, afirma que

    […] a principal preocupação dos acionistas é obter retorno de seu investimento, contudo estes mesmos acionistas são responsáveis por preservar a sustentabilidade de uma empresa; são as pessoas e organizações que monitoram e verificam se os executivos da empresa estão trabalhando corretamente. Quando pensam em desempenho, os acionistas pensam em lucratividade e retorno financeiro. A lucratividade é uma meta de curto prazo, enquanto o retorno é uma meta em longo prazo.

    A questão é encontrar um elo entre sustentabilidade, lucratividade e possibilidade de retorno; mais uma vez fica clara e evidente a estratégia que o Property Manager deve adotar perante os acionistas.

    Sempre segundo Kotler,

    […] para convencer os acionistas, a gerência da empresa – leia-se o Property Manager – precisa formular e comunicar a visão corporativa, além de sua missão e seus valores. No Marketing 3.0, a visão corporativa deve envolver o conceito da sustentabilidade, pois isto será essencial para a vantagem competitiva a longo prazo. As mudanças no cenário de negócios, particularmente a polarização de mercado e a escassez de recursos, contribuem significativamente para a importância cada vez maior da sustentabilidade. A empresa precisa comunicar a seus acionistas que a adoção de práticas sustentáveis vai proporcionar economia de custos, proporcionar aumento de receita e melhorar o valor da marca corporativa. 

    Para ser de longo prazo a sustentabilidade precisa fazer parte da estratégia da empresa, que surge da sua missão, visão e valores. Os executivos precisam ver a sustentabilidade como uma fonte de vantagem competitiva que definirá a empresa, independentemente da concorrência. Isso será essencial para o marketing da visão corporativa junto ao s acionistas e, mais uma vez, caberá ao Property Manager demonstrar a eficácia destas ações.

    Considerações finais

    Obviamente ficará a cargo do Property Manager a sensibilidade, pró atividade e responsabilidade em trilhar caminhos e implantar soluções sustentáveis utilizando-se de metodologias eficazes e estratégias eficientes frente aos acionistas, recordando sempre que na implantação de práticas de desenvolvimento sustentável a ação vem antes da comunicação e que os resultados sob o aspecto da sustentabilidade devem ser condizentes com as ações.
  • Prof. Esp. Alexandre Marcelo Fontes Lara
    Engenheiro Mecânico e de Produção Mecânica Graduado pela Faculdade de Engenharia Industrial  – FEI, Pós-Graduado em Refrigeração e Ar Condicionado (FEI), Pós-Graduado em Avaliações e Perícias de Engenharia pela UNISANTA / IBAPE-SP. Atua há 28 anos na implantação, coordenação, auditoria e consultoria em projetos de O&M predial e industrial, além de atuar como Agente de Comissionamento em alguns dos principais projetos certificados no Brasil. É Diretor Técnico da A&F Partners Consulting Engenharia Ltda.
  • Prof. Esp. José João Fiasco
    Engenheiro Industrial Mecânico pela FEI, Especialização em Controladoria pela FGV, possui mais de 20 anos de experiência na área de facilities e property management. Foi diretor da Tishman Speyer e da JHSF, atualmente é consultor ns áreas de FM / PM e Síndico profissional em empreendimentos comerciais de alto padrão
    Membro da ABRAFAC, Corenet e RICS
  • Prof. Esp. Luciano Brunherotto
    Atual Presidente da ABRAFAC na gestão 2015-2016, Diretor de MKT na gestão 2013/2014, foi Presidente do Grupo GAS em 2013, é formado em Engenharia Civil pela FEI, MBA em Gerenciamento de Facilidades pela USP e especialização em Contabilidade e Finanças pela FGV, atualmente é sócio diretor da Facility.CENTER. Iniciou sua carreira como Engenheiro de Manutenção na ABB, depois Supervisor de Facilities na Arthur Andersen, Harris e Natura. Consolidou sua carreira como Gerente de Facilities no Santander, Sodexo e Takasago, atuou também como Diretor de Operações no Hopi Hari.
  • Prof. Esp. Luiz Eduardo Loureiro
    Consultor para assuntos como desenvolvimento humano, lideranças e orientação de carreiras para executivos e jovens profissionais, Luiz Eduardo Loureiro atua também como professor universitário. Leciona disciplinas ligadas à gestão de pessoas em cursos de pós-graduação. É graduado em Administração de Empresas com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialista em Gestão Organizacional e Recursos Humanos pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Em mais de 15 anos de atuação profissional como gestor e líder de equipes em grandes empresas, especializou-se na formação e desenvolvimento de equipes e times de trabalho.
  • Prof. Esp. Randy Baldresca
    Sócio da empresa Biópolis (Centro de Controle de Pragas Urbanas), empresa graduada pelo Cietec – Ipen/Usp, o biólogo Randy Baldresca já fez cursos nos Estados Unidos e na Europa, onde observou com maior precisão novas metodologias e formas de manejo ligadas ao assunto. Essa especialização reforçou sua vasta experiência em controle de pragas urbanas e o tornou uma das maiores autoridades no assunto.
  • Prof. Fellipe Sousa
    Bacharel em Administração de Empresas, especializado em Gestão e Planejamento em Segurança Empresarial e Sistemas Integrados de Segurança, Master Business Security (MBS) pela FAPI/FESP e Brasiliano & Associados, além de diversos cursos de extensão universitária em gestão da qualidade e desenvolvimento de pessoas. É ex militar das Forças Armadas e certificado internacionalmente pela Corporacion Euro Americana de Seguridad (CEAS), com experiência de mais de 12 anos em Serviços de Segurança Patrimonial e Pessoal dos mais variados segmentos. Atualmente é gerente em uma conceituada empresa de segurança privada, responsável por gerenciar as atividades técnicas de segurança (Análise de Riscos, Normas e Procedimentos, Planos de Contingências, Estudos de Segurança, Auditorias, Investigações, etc.), além do desenvolvimento técnico e comportamental de todo o efetivo.
  • Prof. Ma. Haroldo Luiz Nogueira da Silva
    Profissional com mais de 20 anos de experiência, atua nas áreas de pesquisa, consultoria em manutenção predial, eficiência energética, comissionamento de sistemas prediais para certificação LEED e também treinamento e desenvolvimento de profissionais. Engenheiro Eletricista, Mestre e Doutorando em Energia pela Universidade Federal do ABC, com MBA em Gerenciamento de Facilidades pela Escola Politécnica da USP, Especialista Certificado em Medição e Verificação (M&V). É membro da Association of Energy Engineers e da Abrafac e integrante do comitê Temático de Energia do Conselho Brasileiro de Construções Sustentáveis. Tem em seu currículo cargos como Gerente de Manutenção em sites de missão crítica, Coordenador de Manutenção dos terminais rodoviários em São Paulo, e Gerente de Operações pela Cushman & Wakefield. Atualmente é Sócio Diretor na Preditiva Engenharia, e atua também professor universitário.
  • Profa. Ma. Ana Maria Florentino de Macedo
    Assistente Social com mestrado em Gestão de Recursos Humanos. Responsável pelo desenvolvimento, implantação e coordenação de projetos sociais em diversas organizações, tendo atuado como coordenadora em programas de responsabilidade social. Atuou também como profissional em organizações públicas e como professora em cursos de graduação e pós-graduação. Atualmente é coordenadora de equipe do Programa Acompanhante de Idosos da PMSP e consultora organizacional e instrutora de cursos na área de comunicação e gestão de pessoas em diversas empresas. Autora de artigos publicados em livros e na Revista “Medicina de Reabilitação” e de trabalhos apresentados em Congressos Nacionais e Internacionais.

Horários
Início: 08h30
Coffee break: 10h30 às 10h45
Almoço: 12h30 às 14h00
Coffee break: 16h30 às 16h45
Encerramento: 18h00
Obs.: Cada hora/aula tem 50 minutos de duração.
O que está incluso
Apostila Digital em PDF (disponibilizada por e-mail aos participantes em até 24 horas da data de início do curso, como anexo ou via link em nuvem)
Material de Apoio;
Serviço de Coffee-breaks;
Certificado de Participação digital (atentar a correta grafia do seu nome na lista presença que circulará no primeiro dia de curso)
Observações
Recomendamos levar Notebook ou Tablet/IPAD, com adaptador para a nova tomada “PADRÃO BRASILEIRO”;
Na hipótese de quórum insuficiente, impossibilidade de comparecimento do professor, imprevistos ou motivos de força maior, a AEA Educação Continuada se reserva ao direito de cancelar ou reagendar o curso programado visando preservar o melhor interesse de todos;
Especialmente, em caso de viagens, antes de se deslocar, solicitamos entrar em contato, a fim de confirmar as informações sobre data e local do curso, evitando transtornos;
Em caso de cancelamento, a AEA Educação Continuada avisará a todos os inscritos (através de e-mail), e devolverá integralmente os valores pagos pela inscrição;
O inscrito poderá solicitar o cancelamento da sua inscrição, via e-mail, até 10 (dez) dias antes do início do curso. Neste caso, os valores pagos serão devolvidos.
Em todos os casos, recomendamos a leitura atenta, e integral, do Contrato de Adesão aceito no ato da efetivação da inscrição online.

Formas de Pagamento


Depoimentos

“Recomendo a todos os profissionais da área que participem do curso Gerenciamento de Facilities da AEA Educação Continuada. Valeu o investimento.”

Maria Cláudia Oliveira

 

“Já tive a oportunidade de participar de alguns cursos sobre Facilities, mas o curso de Gerenciamento de Facilities da AEA me surpreendeu pela organização, atualidade dos temas, e o alto nível de conhecimento dos instrutores.”

José Luiz Azevedo