O que você vai aprender

  • Os conceitos básicos de preservação arquitetônica;
  • Linhas de atuação de intervenções e seus princípios, relacionando-os com as modernizações necessárias à atualização de usos;
  • Técnicas construtivas tradicionais mais comuns e suas recorrentes manifestações patológicas;
  • Técnicas de inspeção e ensaios para diagnóstico / identificação das causa das manifestações patológicas;
  • Informações atualizadas acerca da atuação dos órgãos de preservação nas três instâncias (federal, estadual e municipal);
  • Documentação básica de projeto de intervenção em imóvel tombado ou imóvel em área envoltória;
  • Conhecer os possíveis incentivos a imóveis tombados preservados;
  • Estudos de casos de intervenções realizadas.

Como irá se beneficiar

  • Os participantes sairão com conhecimentos legais sobre tombamento de edificações;
  • Os participantes sairão conhecimentos gerais sobre patologia construtiva, com foco em edificações tombadas;

Os participantes sairão capacitados a realizar inspeções em edificações tombadas, realizando o diagnóstico de anomalias e respectivo método de reparo.

Público alvo

Arquitetos, Engenheiros Civis, Tecnólogos em edifícios e profissionais interessados em intervenções e retrofit de imóveis pré-existentes.

Duração

20 horas

  1. CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PATRIMÔNIO HISTÓRICO
  • O que é preservação e o conceito de patrimônio: surgimento, evolução, cartas patrimoniais e linhas de conduta.
  • Aprofundamentos em patrimônio arquitetônico: de monumentos à construções modestas.
  1. TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TRADICIONAIS DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS E MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS FREQUENTES
  • Técnicas de terra crua: pau-a-pique, adobe e taipa de pilão. Manifestações patológicas.
  • Alvenaria autoportante de tijolos de barro maciço. Manifestações patológicas.
  • Cantaria e alvenaria de pedra. Manifestações patológicas.
  • Estuques e taipa francesa. Manifestações patológicas.
  • Argamassas tradicionais. Manifestações patológicas.
  1. TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO DE ANOMALIAS
  • Procedimentos básicos de inspeção;
  • Ferramentas de análise de causa e tomada de decisão;
  • Instrumentos e ferramentas de inspeção. Kit básico;
  • Ensaios destrutivos, semi-destrutivos e não destrutivos. Técnicas mecânicas, sensoriais, ultrassônicas, elétricas, térmicas, hidrodinâmicas, químicas e eletroquímicas;
  • Elaboração de laudos, relatórios e pareceres técnicos.
  1. A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO NO BRASIL
  • O decreto lei 25 de 1937 e o Tombamento como instrumento jurídico de preservação.
  • Para além do tombamento: graus ou níveis de preservação, instrução, APT (abertura do processo de tombamento), AE (área envoltória), ZEPEC.
  1. ÓRGÃOS DE PRESERVAÇÃO – INSTÂNCIAS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL
  • IPHAN: dinâmica e funcionamento, processos de aprovação de intervenção;
  • CONDEPHAAT: dinâmica e funcionamento: unidade técnica (UPPH) e Conselho. Processos de aprovação de intervenção; Resoluções e decretos.
  • CONPRESP: dinâmica e funcionamento, unidade técnica (DPH) e Conselho. Processos de aprovação de intervenção; Resoluções e decretos.
  • O relacionamento entre as instâncias: hierarquia, tombamento ex officio, avaliação conjunta.
  1. PROJETOS DE INTERVENÇÃO EM BENS DE INTERESSE CULTURAL
  • O projeto de conservação/restauração: documentação necessária;
  • Interface entre o novo e o antigo;
  • Questões referentes à acessibilidade;
  • Parâmetros contemporâneos: autenticidade, distinguibilidade, reversibilidade, compatibilidade e mínima intervenção.
  1. INCENTIVOS DA PREFEITURA DE SÃO PAULO À IMÓVEIS TOMBADOS
  • A Lei das Fachadas: Isenção de IPTU para imóveis tombados e preservados no centro de São Paulo.
  • Plano Diretor Estratégico e TDC (Transferência do Direito de Construir): conceitos principais, áreas de operação urbana, requisitos.
  1. ESTUDOS DE CASO
  • Intervenções em imóveis situado em área envoltória: a definir (sugestões: edifício Prado à Rua São Bento, n º 470 e imóvel à Rua do Arouche, nº 126)
  • Intervenções em imóveis tombados: a definir (sugestões: Cinemateca Brasileira, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Red Bull Station, Conservatório Dramático)
  • Prof. Ma. Marcus Vinicius Fernandes Grossi
    Engenheiro Civil, mestre em Tecnologia da Construção pelo IPT, especialista em Excelência Construtiva e Anomalias pelo Mackenzie, Gestão e Tecnologia da Construção pela POLI-USP, Inspetor de Estruturas de Concreto pelo IBRACON, ABECE e ALCONPAT; Perito Judicial, Assistente Técnico da Defensoria Pública e Ministério Público do Estado de São Paulo; Professor universitário; Palestrante de cursos de perícia e patologia das construções; Colunista da Revista Direcional Condomínios; Sócio-gerente da Fernandes & Grossi Consultoria e Perícias de Engenharia, onde atua com consultoria de patologias e perícias de engenharia, inspeção predial, entrega de obras, auditoria de projetos, normatização técnica, desempenho e qualidade das construções. Membro da Associação Brasileira de Patologia das Construções (ALCONPAT BR).
  • Profa. Ma. Fernanda Craveiro Cunha
    Arquiteta e Urbanista pela FAU USP, Mestre em Tecnologia de Construção de Edifícios pelo IPT; Especialista em Conservação Preventiva pelo Instituto del Patrimonio Historico Español de Madrid/Espanha (IPHE, atual IPCE), Pós-graduada em Gestão de Obras de Restauro pelo Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI/UFPE). Atua na área de preservação do patrimônio arquitetônico há 15 anos, tendo trabalhado com obras e projeto de intervenção no patrimônio em diversos escritórios do segmento. Atualmente é sócia fundadora e diretora do escritório Estúdio BIC Arquitetura. É professora das disciplinas Técnicas Retrospectivas, História da Arquitetura do Brasil e Materiais Naturais e Artificiais no curso de Arquitetura e Urbanismo da UNIP; professora convidada do curso de pós-graduação de Gestão de Obras de Restauro pelo Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI);  autora do livro “Pedra Fingida: protagonista invisível do centro de São Paulo”, Membro do ICOMOS-Brasil, Membro dos Comitês Científicos de Preparação para o Risco, de Arquitetura Vernacular e de Pinturas Murais do ICOMOS-Brasil e Membro do Comitê Técnico de Candidatura das Fortificações Brasileira a Patrimônio da Humanidade pela UNESCO – Núcleo SP.

Horários
Início: 08h00
Coffee break: 10h30 às 10h45
Almoço: 12h30 às 14h00
Coffee break: 16h30 às 16h45
Encerramento: 18h00

O que está incluso
Apostila Digital em PDF (disponibilizada por e-mail aos participantes em até 24 horas da data de início do curso)
Material de Apoio;
Serviço de Coffee-breaks;
Certificado de Participação digital (atentar a correta grafia do seu nome na lista presença que circulará no primeiro dia de curso)

Observações
Levar Notebook ou Tablet/IPAD, com adaptador para a nova tomada “PADRÃO BRASILEIRO”;
Na hipótese de quórum insuficiente, impossibilidade de comparecimento do professor, imprevistos ou motivos de força maior, a AEA Educação Continuada se reserva ao direito de cancelar ou reagendar o curso programado visando preservar o melhor interesse de todos;
Especialmente, em caso de viagens, antes de se deslocar, solicitamos entrar em contato, a fim de confirmar as informações sobre data e local do curso, evitando transtornos;
Em caso de cancelamento, a AEA Educação Continuada avisará a todos os inscritos (através de e-mail), e devolverá integralmente os valores pagos pela inscrição;
O inscrito poderá solicitar o cancelamento da sua inscrição, via e-mail, até 10 (dez) dias antes do início do curso. Neste caso, os valores pagos serão devolvidos.
Em todos os casos, recomendamos a leitura atenta, e integral, do Contrato de Adesão aceito no ato da efetivação da inscrição online.